"Linha de Passe", filme de Walter Salles e Daniela Thomas

Sugerido por ANTONIO ATEU

Do site Planeta Tela

"LINHA DE PASSE": TALVEZ O MELHOR FILME (BRASILEIRO OU NÃO) DO ANO.

Celso Sabadin

Programe-se para assistir a um dos melhores (talvez o melhor?) filme brasileiro deste ano. Dirigido a quatro mãos por Walter Salles e Daniela Thomas, “Linha de Passe” é um primor de cinema, de narrativa e – o mais importante – de emoção. 

A sinopse sugere “mais um filme brasileiro sobre a miséria”. Longe disso. Esqueça. “Linha de Passe” é um filme sobre limites. Trata-se de um belíssimo roteiro que acompanha simultaneamente a trajetória de cinco personagens: a empregada doméstica Cleuza (Sandra Corveloni, que surpreendeu a todos e a si própria ao ganhar o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cannes deste ano) e seus quatro filhos. Vivendo na periferia paulistana, cada membro desta família procura a sua própria solução para tentar resolver – ou, talvez, minimizar – as duras conseqüências de uma vida que se desenrola na linha da pobreza. 

Dênis (João Baldasserini), um motoboy sem muitos escrúpulos, tem um filho que mal o reconhece e não hesita em roubar do próprio irmão, se for preciso. Dario (Vinícius de Oliveira, o ex-garoto de “Central do Brasil”) tem grande talento para o futebol, mas está na idade limite para ser cortado dos processos de seleção de novos jogadores. Assim como milhões de brasileiros, ele também é um moço “aposentado” precocemente pelas exigências cruéis de um mercado de trabalho que mastiga e cospe jovens talentos. Dinho (José Geraldo Rodrigues), que já teve problemas no passado (o texto do filme sugere, mas não explica), refugia-se na Fé do Evangelho, ao mesmo tempo em que trabalha num posto de gasolina. E o mais novo, o pequeno Reginaldo (Kaique de Jesus Santos, uma grande revelação) é apaixonado por ônibus e fascinado pelo ato de dirigir um deles. Já a mãe busca seu escapismo torcendo freneticamente nos jogos do Corinthians.  Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

Divorciados usam filhos como munição para castigar "ex"

Sugerido por Tamára Baranov

Do UOL

Pais separados até forjam abuso sexual para afastar filhos de 'ex'

Heloísa Noronha
Do UOL, em São Paulo

23/08/2013
07h02
A separação de um casal sempre gera sofrimento para os filhos. Com o tempo, no entanto, as emoções mais exacerbadas –revolta, raiva, mágoa– costumam se abrandar. A rotina se ajeita e os envolvidos aprendem, mesmo que na marra, a lidar com outras formas de se relacionar. Pais e mães conscientes de seus papéis costumam se esforçar para que os filhos se machuquem o menos possível, mas, infelizmente, nem todos colocam o bem-estar de crianças e jovens em primeiro lugar.

Não são poucos os casos de adultos que, tomados pela revolta causada pelo divórcio, transformam os filhos em artilharia pesada para castigar os ex-parceiros. Infelizmente, a chamada alienação parental é mais comum do que se imagina e extremamente prejudicial. "É uma forma de abuso psicológico contra a criança, que pode causar consequências intensas, capazes de afetar o desenvolvimento. As sequelas são para a vida toda", informa a psicóloga Raquel Fernandes Marques.

A alienação parental, expressão cunhada pelo psiquiatra norte-americano Richard Gardner nos anos 1980, inclui toda ação realizada pelo pai ou pela mãe (que na psicologia são designados pelo termo "genitor alienante") com o objetivo de levar o filho a romper os vínculos afetivos com o outro genitor (chamado de "genitor alienado"). Leia mais »

Índios Tupinambá esperam a mais de um ano por demarcação

Autor: 

O povo Tupinambá tem sido vítima da opção do governo da presidenta Dilma Rousseff pelo agronegócio. Concluídos os estudos que comprovaram de maneira cabal a ocupação tradicional do território pelos indígenas, cabe agora ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, assinar a portaria declaratória da Terra Indígena.

O documento está nas mãos do ministro há cerca de um ano e meio, apesar de a legislação determinar o prazo de 30 dias após o recebimento do processo para que o ministro dê os encaminhamentos pertinentes. A omissão do Estado tem gerado tensão no sul da Bahia, que se intensificou em agosto de 2013. Neste mês, um caminhão que transportava estudantes indígenas e não indígenas foi alvejado, deixando dois jovens feridos; indígenas tiveram suas casas incendiadas; e veículos de órgãos governamentais também foram incinerados, entre outros ataques.

Petição em apoio ao Povo Tupinambá
Leia mais »

O canto do Assum Preto

Por jns

MELRO

Espécie sem dimorfismo sexual

A graúna (derivado do tupi “guira-una” = ave preta) é uma ave passeriforme da família Icteridae.

Conhecido também como chico-preto (Maranhão), arranca-milho, chopim, chupão (Mato Grosso), assum-preto, cupido, melro e pássaro-preto. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

Lei Cultura Viva será votada esta semana na Câmara

Autor: 

Nesta terça-feira, 27/08, o Projeto de Lei 757/2011, conhecido como Lei Cultura Viva, entra na pauta da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados, em Brasília. Se aprovado nesta Comissão, o Projeto de Lei segue diretamente para o Senado Federal, sem necessidade de votação no plenário da Câmara. Uma vez aprovado no Senado, o Projeto pode ser enviado diretamente para sanção presidencial.

A Lei Cultura Viva, apresentada ao Congresso Nacional pela deputada federal Jandira Feghali (PCdoB / RJ), surge como uma demanda concreta da luta de milhares de iniciativas, redes, coletivos e movimentos culturais do Brasil. Com a aprovação desta lei, o Programa Cultura Viva e os Pontos de Cultura passarão a ser uma política permanente de estado, baseada no reconhecimento e apoio do Estado às manifestações, linguagens e formas de expressão cultural independentes, comunitárias e articuladas em rede.
Leia mais »

O fenômeno cult "Donnie Darko"

Desde o seu lançamento em 2001, o filme “Donnie Darko” do diretor Richard Kelly tornou-se um fenômeno cult: é um dos filmes mais pesquisados e acessados na Internet (atualmente ocupa a 185° do Top 250 do IMDB), em geral espectadores que buscam uma explicação para enigmática narrativa sobre um adolescente problemático com misteriosas visões de um coelho de dois metros de altura chamado Frank que faz uma espécie de contagem regressiva para o fim do mundo. “Donnie Darko” é um exemplo de filme que se tornou atemporal por amarrar em um inteligente roteiro arquétipos contemporâneos e milenares sobre o tempo, destino e redenção. Leia mais »

O fenômeno cult "Donnie Darko"

Desde o seu lançamento em 2001, o filme “Donnie Darko” do diretor Richard Kelly tornou-se um fenômeno cult: é um dos filmes mais pesquisados e acessados na Internet (atualmente ocupa a 185° do Top 250 do IMDB), em geral espectadores que buscam uma explicação para enigmática narrativa sobre um adolescente problemático com misteriosas visões de um coelho de dois metros de altura chamado Frank que faz uma espécie de contagem regressiva para o fim do mundo. “Donnie Darko” é um exemplo de filme que se tornou atemporal por amarrar em um inteligente roteiro arquétipos contemporâneos e milenares sobre o tempo, destino e redenção. Leia mais »

O arco-íris e o parque eólico

Sugerido por ROSE

Bom Dia, Boa Semana!

Wilster, Alemanha - Arco-íris sobre um parque eólico, visto através da janela de um trem.

Foto:  Christian Charisius / DPA

http://framework.latimes.com/2013/08/23/the-week-in-pictures-145/#/38 Leia mais »

A morte da atriz americana Julie Harris

Henrique Torres

Acabo de ler no Guardian a notícia do falecimento, aos 87 anos, de Julie Harris, uma das maiores atrizes do teatro e do cinema americanos (aqui o seu obituário).

A minha grande lembrança de JH será sempre a sua atuação no filme Vidas Amargas (East of Eden), uma obra prima de Elia Kazan, e para mim o melhor filme da curta carreira de James Dean. É inesquecível a cena entre Harris e Dean na roda gigante, uma das cenas de amor mais emocionantes da história do cinema.

Vídeos: 
Veja o vídeo

O estilista de rua do centro de Niterói

Sugerido por Cláudio José

Do Extra

Estilista de rua que cobra R$ 1 por croqui tem sonho de conhecer Luciano Huck

Carlos não sabe escrever, mas usa as mãos e um lápis para fazer outra coisa: desenhar. Ele é um estilista que apresenta suas obras no Centro de Niterói. A mestranda da Universidade Federal Fluminense (UFF) Deborah Lima encontrou com ele na rua, se encantou pelos projetos de roupas e descobriu que ele custavam R$ 1. Em sua página no Facebook, Deborah divulgou como foi conversar com o estilista.

“Eu: - Posso pegar qualquer um que eu quiser por um real? Ele: - Pode sim! Peguei o desenho. Ele: - Desculpa ele estar sujo... é que eu fico no chão... Me dá aqui, vou tentar limpar com a borracha – pausa – Não. Vou deixar assim. Essa sujeira faz parte da minha arte. Eu: - Muito lindos mesmo! Parabéns! Porque o senhor não assina eles depois que termina? Ele: - É que eu não sei ler nem escrever...”, contou a estudante em seu perfil na internet. Ela logo ensinou como assinar “C” para o homem.

Deborah ainda explicou que ficou impressionada com a precisão e a criatividade de Carlos:

“Comecei a perguntar pra ele onde ele teria aprendido a desenhar com tanta perfeição. Ele respondeu que aprendeu na rua, vendo vitrines... As roupas? Ele inventa da própria cabeça”. Leia mais »

Cinema: Uma Noite com Sabrina Love

Autor: 
ANTONIO ATEU

 

Cada filme cujo roteiro é baseado em um romance se torna mais um motivo para usar o eterno debate sobre se a adaptação é melhor do que o original. Existe uma doutrina que podem, em princípio, resolvem o problema e em cada ano acaba por ser um argumento para um dos dois lados. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

Moacyr Luz: Na viela da memória

Autor: 
Vânia

Se alguém observar nessa crônica sintomas de nostalgia, aceito o diagnósticoO DIA

R Leia mais »

Documentário de Glauber Rocha sobre Di Cavalcanti

Por romério rômulo

Di Cavalcanti, por Glauber Rocha.

romério

Vídeos: 
Veja o vídeo

"Breviário", do escritor Fernando Fiorese

Por Vaas

Narrativas breves de Fernando Fiorese.

Do blog Copo Portátil

  Leia mais »

As instalações da artista holandesa Suzan Drummen

Por Vaas

Um ato de paciência e precisão resultando em belas combinações são essas instalações criadas pela artista holandesa Suzan Drummen, que usa espelhos, cristais, metal cromado, vidro e pedras coloridas. Os padrões do tipo fractal formam uma espécie de tapete 3D, tudo colocado peça por peça, refletindo luz em todas as direções.   Leia mais »