Morreu Alex Mariano, ex-programador da "Maldita"

Autor: 

Bem no início dos anos 80, as rádios FM's já faziam parte do circuito do jabá, como já ocorria com a televisão, rádios AM e etc, com a programação idêntica e pasteurizada. Em uma tarde, até mesmo em função desse marasmo, começo a rodar o "dial" para ver se encontro alguma coisa interessante, de repente começo ouvir uns acordes conhecidos, era "Stairway to Heaven" do Zeppelin de Chumbo!, que apesar de eu ter o disco fazia tempos que não a ouvia. Peraí, eu estava acordado; e veio o Bowie, o Purple, The Who,...raios, não dava para acreditar. 

  Leia mais »

10 Anos Sem Paulinho Nogueira

Autor: 

 

Desde criança o violão fazia parte da vida de Paulinho Nogueira (08/10/1929 - 02/08/2003), até porque dentro de casa muitos tocavam, e os primeiros acordes êle aprendeu com um irmão seu. Quando resolveu sair de casa, em Campinas, e foi para São Paulo tentar a vida, acabou trabalhando num escritório de publicidade como desenhista. O desenho era também uma outra paixão de Paulinho Nogueira, seu trabalho era meticuloso, uma qualidade que mais tarde também se mostrou nos seus métodos de ensino do violão. Mas nesse mundo da publicidade o ritmo era diferente, mais acelerado,e assim Paulinho perde o emprego. Não querendo voltar para Campinas e incentivado pelo irmão, resolve viver da música, o que fez muito bem sempre. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo

10 Anos Sem Paulinho Nogueira

Autor: 

 

Desde criança o violão fazia parte da vida de Paulinho Nogueira (08/10/1929 - 02/08/2003), até porque dentro de casa muitos tocavam, e os primeiros acordes êle aprendeu com um irmão seu. Quando resolveu sair de casa, em Campinas, e foi para São Paulo tentar a vida, acabou trabalhando num escritório de publicidade como desenhista. O desenho era também uma outra paixão de Paulinho Nogueira, seu trabalho era meticuloso, uma qualidade que mais tarde também se mostrou nos seus métodos de ensino do violão. Mas nesse mundo da publicidade o ritmo era diferente, mais acelerado,e assim Paulinho perde o emprego. Não querendo voltar para Campinas e incentivado pelo irmão, resolve viver da música, o que fez muito bem sempre.

  Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo

"Cordas da Serra", a orquestra tem que continuar

Autor: 

             

  

Em 2009 é criada em São Bento do Sapucaí, região de Campos do Jordão - SP, o Projeto Cordas da Serra com objetivo de se criar uma orquestra na cidade. A Fundação Lia Maria Aguiar fez a doação de instrumentos musicais, o ensino a cargo do músico e maestro André Pantera. No primeiro mês o projeto recebeu aproximadamente 60 alunos, número esse que permanece até hoje. O documentário "120 Cordas", registra o sucesso desse projeto, além da preocupação do maestro André Pantera com a profissionalização desses jovens, que pelas necessidades da vida poderiam deixar a música, e com isso talentos perdidos. Parece que, depois de quatro anos, essa barreira, que se posta na frente de tais iniciativas no Brasil, atingiu também a "Orquestra de Violões Cordas da Serra". Mas o sonho pode e tem que continuar. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo

O Centenário de Noel Nutels

Autor: 

 

         

  Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

O Centenário de Noel Nutels

Autor: 

 

         

  Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

Lucie Horsch e sua Flauta

Autor: 

              Lucie Horsch é uma jovem flautista holandesa, que tem se destacado em seu país, em apresentações e concursos. No início de 2012, vence um concurso, o "Prinses Christina Concurs" ,  na categoria de 12 - 14 anos; no ano de 2013, participa do "Audities Avond van de Jonge Musicus". Todavia, Lucie Horsch apesar de muito jovem, já é uma veterana dos palcos. Desde muito criança, se apresentou em igrejas, salas de concerto como também em apresentações ao ar livre, sempre mostrando uma rara segurança. Com tudo isso, Lucie Horsch ainda consegue se entregar a outros instrumentos musicais e surpreende, como no piano.  

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo

Crimson Jazz Trio

Autor: 

    

  Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo

O "Soul" é o meu Dom - Wilson das Neves

Autor: 

 

 

          

                                Wilson das Neves é um dos nossos grandes músicos, sabe marcar o ritmo como poucos na bateria e na percussão, pois carrega dentro seu coração o Império Serrano. É cantor e compositor dos bons, mas começou a sua carreira como músico na bateria acompanhando diversos artistas. Sua importância foi logo percebida, tanto que Elza Soares fez questão que o Wilson das Neves fizesse parte, junto com ela, da capa do álbum “Elza Soares – baterista Wilson das Neves” (1968).

                                                     Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo

Almira Castilho

Autor: 

                                   

       Atriz, cantora, compositora, dançarina; tudo isso numa só pessoa, tudo isso em Almira Castilho (24/08/1924 – 26/02/2011). Inicia a sua carreira artística na Radio Jornal do Commercio, no Recife, em seguida participa, no côro, da gravação da música “Sebastiana (Rosil Cavalcânti)”, com Jackson do Pandeiro. Mais tarde , formam uma parceria artística e se casam; gravam vários discos além de participarem de alguns filmes. Almira Castilho, junto com Gordurinha, compõe um dos maiores sucessos da nossa música “Chiclete com Banana”. A dupla e o casamento chegam ao fim depois de 12 anos; contudo Almira Castilho continuou cantando, dançando e vivendo para sempre no Recife. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo

Xangô da Mangueira, “O Rei do Partido Alto”

Autor: 

              Com quase 50 anos é que Xangô da Mangueira consegue gravar o seu primeiro disco. Dono de um talento raro e artista completo, o senhor Olivério Ferreira - era o nome de Xangô - fez muito na e pela Verde-Rosa; sucedeu Cartola como Diretor de Harmonia e passou o bastão de Interprete da Escola para Jamelão. Nesse álbum, Xangô da Mangueira divide a autoria na maior parte das músicas que de uma certa forma narra um pouco da sua história; os primeiros anos em Paracambi – RJ (“Moro na Roça”), a entrada no mundo do Samba (“Cheguei no Samba”) e depois como membro da diretoria da Mangueira (“Diretor de Harmonia”). O também mangueirense Jorge Zagaia, compositor e parceiro de Xangô, participa de algumas músicas; além disso, o álbum é todo delicioso e revela momentos de descontração dessa rapaziada. Ah, o nome do álbum é “O Rei do Partido Alto”(1972)....o negócio é ouvir as músicas, e eis a explicação. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo

Xangô da Mangueira, “O Rei do Partido Alto”

Autor: 

              Com quase 50 anos é que Xangô da Mangueira consegue gravar o seu primeiro disco. Dono de um talento raro e artista completo, o senhor Olivério Ferreira - era o nome de Xangô - fez muito na e pela Verde-Rosa; sucedeu Cartola como Diretor de Harmonia e passou o bastão de Interprete da Escola para Jamelão. Nesse álbum, Xangô da Mangueira divide a autoria na maior parte das músicas que de uma certa forma narra um pouco da sua história; os primeiros anos em Paracambi – RJ (“Moro na Roça”), a entrada no mundo do Samba (“Cheguei no Samba”) e depois como membro da diretoria da Mangueira (“Diretor de Harmonia”). O também mangueirense Jorge Zagaia, compositor e parceiro de Xangô, participa de algumas músicas; além disso, o álbum é todo delicioso e revela momentos de descontração dessa rapaziada. Ah, o nome do álbum é “O Rei do Partido Alto”(1972)....o negócio é ouvir as músicas, e eis a explicação. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo

"Little Girl Blue", o primeiro álbum de Nina Simone

Autor: 

 

 

                                 "Little Girl Blue" (ou "Jazz As Played in an Exclusive Side Street Club"), foi o primeiro álbum de Nina Simone. Apesar do sucesso, Nina ainda almejava ser pianista clássica, seus primeiros contratos tinham objetivo de custear os estudos de piano - o seu talento como instrumentista pode ser também apreciado aqui nesse álbum. Pelo histórico de sua carreira, já se sabe a sua decisão onde não houve  lado perdedor, todos nós ganhamos.

 Músicas:

 Mood Indigo
 Don't Smoke In Bed   
 He Needs Me   
 Little Girl Blue   
 Love Me Or Leave Me   
 My Baby Just Cares For Me   
 Good Bait  
 Plain Gold Ring  
 You'll Never Walk Alone   
 Porgy   
 Central Park Blues

 

 Com: Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

"Little Girl Blue", o primeiro álbum de Nina Simone

Autor: 

 

 

                                 "Little Girl Blue" (ou "Jazz As Played in an Exclusive Side Street Club"), foi o primeiro álbum de Nina Simone. Apesar do sucesso, Nina ainda almejava ser pianista clássica, seus primeiros contratos tinham objetivo de custear os estudos de piano - o seu talento como instrumentista pode ser também apreciado aqui nesse álbum. Pelo histórico de sua carreira, já se sabe a sua decisão onde não houve  lado perdedor, todos nós ganhamos.

 Músicas:

 Mood Indigo
 Don't Smoke In Bed   
 He Needs Me   
 Little Girl Blue   
 Love Me Or Leave Me   
 My Baby Just Cares For Me   
 Good Bait  
 Plain Gold Ring  
 You'll Never Walk Alone   
 Porgy   
 Central Park Blues

 

 Com: Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

L'Après Midi d'un Faune, 100 anos da coreografia de Nijinsky

Autor: 

  No início do Século XX, o cenário do balé classico era desolador. A qualidade não estava em questão, mas sim a falta de perspectiva, parecia que havia chegado a um limite; a necessidade de renovação da parte técnica do balé assim como os repertórios, precisavam de novas propostas. Na Rússia, as companhias de balé dos teatros Bolshoi e Marinsky , por exemplo, revezavam as montagens de “Giselle”, “Lago dos Cisnes” entre outras; e não era diferente no Ballet da Ópera de Paris. Para agravar a situação uma onda vinha do outro lado do Atlântico, nos EUA, Martha Graham, para citar uma, desenvolvia uma dança contemporânea, que junto com o sapateado e jazz tinham ainda como parceiro uma indústria emergente na época, o cinema americano que ajudava a divulgar os novos caminhos da arte Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo